DESTAQUE DO DIA!

Raquel Dodge faz parceria com MST "Um militante do MST terá ligação direta com a PGR"

O maior absurdo dos absurdos! A revista Veja noticiou o maior absurdo já realizado por Raquel Dodge, " parceria com o MST ". ...

Raquel Dodge faz parceria com MST "Um militante do MST terá ligação direta com a PGR"

Raquel Dodge faz parceria com MST "Um militante do MST terá ligação direta com a PGR"



O maior absurdo dos absurdos!

A revista Veja noticiou o maior absurdo já realizado por Raquel Dodge, "parceria com o MST".

A equipe de Raquel Dodge fechou um acordo com o MST pelo qual a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, chefiada por Deborah Duprat, reconhece o movimento, responsável por uma série de invasões e de conflitos agrários no passado, como “importante interlocutor” para construção de soluções pacíficas no campo.






A equipe de Dodge abre, pelo acordo, canal direto com o MST para que casos de violações de direitos humanos na “luta pela reforma agrária” sejam denunciados. Um militante do MST terá ligação direta com a PGR para tratar de todas as questões relacionadas ao movimento. A procuradoria vai destacar servidor em sua estrutura para receber denúncias e adotar providências. O acordo tem validade de 12 meses.
Bolsonaro descobre antes da canetada que indicado para a PGR,  já foi sócio de Gilmar e muda de ideia

Bolsonaro descobre antes da canetada que indicado para a PGR, já foi sócio de Gilmar e muda de ideia




Apoio de Toffoli faz ex-sócio de Gilmar crescer nas apostas para a PGR.

Interlocutores de Jair Bolsonaro veem o subprocurador Paulo Gonet, apoiado por Dias Toffoli nos bastidores, como novo favorito para a PGR, relata Caio Junqueira na Crusoé.





Gonet foi sócio de Gilmar Mendes no IDP –o que tem feito o presidente refletir mais um pouco antes de bater o martelo em seu favor.
 2,2 mil advogados entregam manifesto de apoio a Deltan Dallagnol, que pede mais apoio do povo do Brasil

2,2 mil advogados entregam manifesto de apoio a Deltan Dallagnol, que pede mais apoio do povo do Brasil




2,2 mil advogados assinaram o manifesto que acaba de ser entregue ao procurador Deltan Dallagnol, no qual há expresso apoio à Lava Jato.

O apoio é mais específico ao próprio Dallagnol.






Deltan Dallagnol recebeu há pouco de um grupo de advogados um manifesto com 2,2 mil assinaturas em apoio ao trabalho desenvolvido por ele na coordenação da força-tarefa da Lava Jato.

O procurador agradeceu o apoio em nome da equipe e voltou a dizer que “se não fosse o apoio popular, a Lava Jato não teria chegado onde chegou”. 





O coordenador também pontuou que, somente neste ano, a operação já recuperou mais de R$ 1 bilhão de reais, dinheiro roubado dos cofres públicos pela organização criminosa montada por Lula e pelo PT.

General Militar adverte; ‘Ninguém mexe com Moro’ no STF, há um clima de suspense

General Militar adverte; ‘Ninguém mexe com Moro’ no STF, há um clima de suspense







"No STF, há um clima de suspense, mas alguns ministros, em off, revelaram que nada pode levar a anulação de julgamentos na Lava Jato"



Não adianta ficar de tititi no Congresso Nacional, no Supremo Tribunal Federal e muito menos na ‘mídia espalhafatosa’ em função do vazamento de conversas reservadas entre o ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, quando juiz da Lava Jato, e integrantes do Ministério Público.




Essa é a opinião do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, manifestada nesta segunda-feira, 10, em Brasília. “Conversa privada é conversa privada. Moro é da mais ilibada confiança do presidente (Jair Bolsonaro) e tem respeito por parte da população”, disse, ao ser questionado por jornalistas sobre o assunto.

Mourão foi taxativo o dizer que não vê “nada de mais” nas conversas atribuídas a Moro e a membros da força-tarefa da Operação Lava Jato. Para o general, os processos da Lava Jato não devem ser questionados, pois “todos eles passaram por primeira, segunda e outros já chegaram na terceira instância”.



Ainda segundo o vice-presidente, as conversas foram divulgadas fora do seu contexto original. “Conversa privada é conversa privada e descontextualizada ela traz qualquer número de ilações. O ministro Moro é um cara da mais ilibada confiança do presidente [Jair Bolsonaro] e é uma pessoa que, dentro do país, tem o respeito de enorme parte da população, visto as pesquisas de opinião que dão a popularidade dele”, frisou.





Também quem saiu em defesa de Moro foi o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. “Isso (o vazamento de mensagens) está me cheirando a tempestade em copo d’água”, afirmou FHC. Nada disso, enfatizou, “altera os motivos da condenação (de Lula)”.

No STF, há um clima de suspense. Mas alguns ministros, em off, revelaram que nada pode levar a anulação de julgamentos na Lava Jato. Na pior das hipóteses, segundo manifestação de um membro da Corte, Sérgio Moro pode ser ‘convidado’ a dar explicações ao Conselho Superior de Censura.

Junto de Moro, Bolsonaro tira sarro do presidiário de Curitiba: "Lula livre? Moro responde, Nãooooo" (veja o vídeo)




Bolsonaro fez uma brincadeira com Sergio Moro durante a visita de um grupo de estudantes ao Palácio do Planalto ontem, relata O Globo.
O grupo deu uma camisa para o presidente e o ministro da Justiça autografarem. 


Ao receber a camisa de Moroo, Bolsonaro leu o que estava escrito e disse, fingindo surpresa: “Lula livre?”.




E a plateia em coro responde:


"NÃOOOOOOO, DEUS ME LIVRE!"

 
JEAN WYLLYS: “Vou sentar a mão na cara de quem me xingar"

JEAN WYLLYS: “Vou sentar a mão na cara de quem me xingar"




O ex-deputado federal do Psol, Jean Wyllys, hoje morando na Alemanha, em entrevista publicada na última segunda-feira, afirmou que é capaz de agredir alguém que o confronte na Europa.

Quando questionado se possuía medo de ser agredido no velho continente, afirmou que “na verdade, eu tenho medo é de mim mesmo”.





Me contive em respeito ao meu cargo. Mas aqui para eu sentar a mão na cara de alguém não vai demorar dois segundos. Se me xingarem, se me ofenderem, eu vou dar tapa, vou gritar, vou chamar a polícia. Tenho medo é do que eu possa vir a fazer” disse Wyllys.
Bolsonaro pede paciência a Moro que está angustiado querendo a aprovação do projeto Anticrime

Bolsonaro pede paciência a Moro que está angustiado querendo a aprovação do projeto Anticrime




O pacote anticrime de Sergio Moro é uma das bandeiras do governo e deveria ser tratado como prioridade absoluta. Ao que parece, pelo que disse hoje, Jair Bolsonaro não pensa assim.

O presidente afirmou que a tramitação da proposta não pode atrapalhar o andamento das reformas no Congresso.






“Tem que conversar com o Moro. Teve alguma reação do Parlamento e você não pode causar turbulência. Lamento, mas tem que dar uma segurada”, disse Bolsonaro.

“Eu não quero pressionar e atrapalhar, tumultuar lá [no Congresso]. Tantas outras propostas e não enviamos para não atrapalhar a Previdência. Quando manda uma proposta para lá, já tem alguns deputados e senadores que passam a ser contra uma proposta minha. É natural, fiquei 28 anos lá dentro. ‘Olha, se essa proposta for para frente, eu não voto a Previdência’. É o jogo, tem que saber jogar.”





Bolsonaro pediu “paciência” ao ministro. “Moro está vindo de um meio onde ele decidia com uma caneta na mão. Agora não temos como decidir de forma unilateral. E temos que governar o Brasil”, afirmou.





“Entendo a angústia dele em querer que o projeto dele vá para frente. Entendo, mas nós temos que diminuir o desemprego, fazer o Brasil andar, abrir o nosso comércio. Sabemos que uma pressão em cima da reforma dele agora atrapalha um pouco a tramitação dessa ‘reforma-mãe’. Eu tenho falado com ele. Um pouco mais de paciência.”




VAZOU; lula prefere ficar sob custódio de Sérgio Moro,  porque o PT não confia na integridade do governador João Dória

VAZOU; lula prefere ficar sob custódio de Sérgio Moro, porque o PT não confia na integridade do governador João Dória





O STF derrubou a transferência do prisioneiro por corrupção, Lula da Silva, para São Paulo.

Ele terá que continuar sob custódio de Sérgio Moro, porque Lula e o PT não confiam na integridade do governador João Dória, conforme manifestação da deputada Gleisi Hoffmann.





A decisão foi do plenário do STF. Foram 10 x 1. O voto divergente foi de Mello, que acha que o caso deve ser analisado pelo TRF4, Porto Alegre.

Raquel Dodge, chefe da PGR, chamada ao pleno, também ficou do lado de Lula.

juíza Carolina Lebbos manda lula para presídio comum em São Paulo





Por decisão da juíza Carolina Lebbos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixará possivelmente ainda nesta quarta-feira (7) a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.





Lula será transferido para São Paulo.
Ainda não foi definido em qual presídio o meliante petista ficará preso, pelo menos, tal informação não consta no despacho da magistrada.





É possível que seja para evitar manifestações de militantes petistas. A alegação para a transferência consta no despacho exarado: “tem-se, a cada dia, a contínua e permanente sobrecarga imposta à Polícia Federal, em termos de recursos humanos e financeiros”.


-A defesa chegou a pedir, em caráter subsidiário, que Lula fosse transferido para estabelecimentos compatíveis com Sala de Estado Maior, com a oportunidade de prévia manifestação da Defesa. No entanto, na decisão de hoje, a juíza negou ao ex-presidente Lula o direito a Sala de Estado Maior e determinou sua transferência para estabelecimento a ser definido em São Paulo.

Atualizado; O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá para o presídio de Tremembé 2, no interior de São Paulo, noticia a Crusoé. A decisão foi tomada pelo juiz Paulo de Almeida Sorci, coordenador e corregedor dos presídios do estado, no fim da manhã desta quarta-feira, 7, depois de a transferência de Lula da Superintendência Federal de Curitiba ser determinada mais cedo pela juíza federal Carolina Lebbos.


Os Petistas emitiram uma nota, estão bravos, leia aqui.

Deltan afastado da lava jato a qualquer momento, diz Crusoé





Deltan Dallagnol afastado da lava jato a qualquer momento.


Começou a ganhar corpo, em Brasília, uma articulação no Conselho Nacional do Ministério Público para determinar em breve o afastamento de Deltan Dallagnol, informa a Crusoé.





Nesta segunda-feira, 5, em Brasília, uma articulação no Conselho Nacional do Ministério Público para determinar o afastamento do procurador Deltan Dallagnol em breve. 

De acordo com fontes ouvidas por Crusoé, a tendência é que a maioria dos conselheiros vote pelo afastamento de Deltan com base nas mensagens de Telegram trocadas pelo procurador com outros integrantes da lava jato.
Petista dos dólares na cueca critica o governo Bolsonaro   -Cá pra nós, é muita cara de pau!

Petista dos dólares na cueca critica o governo Bolsonaro -Cá pra nós, é muita cara de pau!






O deputado federal petista José Guimarães, que em 2005 ganhou fama nacional após o episódio dos ‘dólares na cueca’, foi até as suas redes sociais criticar o atual governo.

Em seu Twitter, o deputado afirmou:


Em 1500 tiraram o ouro do país em troca deram espelhos aos índios, hoje o imperialismo está tirando nosso petróleo e em troca, nossa humilhação, nos tornando quintal dos EUA. ACORDA BRASIL, TEM UM INVASOR NESTE PAÍS. Dia 13 temos que fazer a maior manifestação da nossa história.”

-Cá pra nós, é muita cara de pau! 

Dias Toffoli não aguenta a pressão e pede arrego a Sergio Moro



O Arrego do Ministro Dias Toffoli

“Por que o Poder Judiciário não pode ser investigado? É intocável? Que medo é esse que se tem?”

Davi Alcolumbre voltou a ser cobrado -- e não vai parar por aí -- para instalar a CPI da Lava Toga e analisar pedidos de impeachment de ministros do STF.






A CPI da Lava Toga é uma decisão que cabe ao Legislativo



Numa tentativa de pacificar a relação entre os poderes, Dias Toffoli chamou Sergio Moro para um almoço hoje com os demais membros do Conselho Nacional de Justiça.

O convite do presidente do STF foi feito após uma entrevista do ministro da Justiça pela manhã, na qual sinalizou maior disposição de diálogo com Congresso e Judiciário para aprovar o pacote anticrime.



Mal chegou à Câmara, a proposta foi criticada por Rodrigo Maia como um “copia e cola” de projeto de Alexandre de Moraes, em resposta à pressão de Moro para acelerar a tramitação.

Toffoli também tem interesse na aproximação para neutralizar os recentes ataques ao STF e aos ministros.

Num trecho da entrevista, Moro disse que a insatisfação com decisões da Corte não deve desdobrar em atos de ódio.



“A CPI da Lava Toga é uma decisão que cabe ao Legislativo. Assim como defendo piamente a independência do juiz Marcelo Bretas, tem que se defender a independência das decisões judiciais, não se pode ingressar no mérito”, disse o ministro à BandNews.



“O STF está sujeito a crítica da opinião pública, como o Legislativo e o Executivo. Nós temos que compreender algumas dessas decisões e evitar algumas reações exageradas, especialmente nas mídias sociais. Criticar uma decisão por discordar é normal, o que não pode é adotar um discurso de ódio, ofensivo. Isso é inapropriado, não porque é o Supremo, mas em relação a qualquer outra entidade.”

-Eu, sendo o Moro, pedia para Dias Toffoli comer primeiro, sabe como é né! 

A sociedade tem que reagir o quanto antes. #FORATOFFOLI

Bolsonaro peita Toffoli e outros ministros, o presidente não quer Raquel Dodge e sim o subprocurador-geral Augusto Aras,

Bolsonaro peita Toffoli e outros ministros, o presidente não quer Raquel Dodge e sim o subprocurador-geral Augusto Aras,




Quando ministros do STF fazem campanha a favor de Raquel Dodge, fica muito claro que não é bom para o Brasil.

Presidente tem intensificado o contato com o subprocurador-geral Augusto Aras, que despontou como um dos cotados para o cargo.

Parte dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) faz campanha nos bastidores para influenciar o presidente Jair Bolsonaro a dar um segundo mandato à procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Ao mesmo tempo, o presidente tem intensificado o contato com o subprocurador-geral Augusto Aras, que despontou como um dos cotados para o cargo.




Raquel encerra seu mandato no dia 17 de setembro e é descrita por apoiadores no Supremo e no Congresso como o melhor nome para dar estabilidade institucional, enquanto Aras ganhou pontos com Bolsonaro ao demonstrar alinhamento com a pauta de reformas do governo.

Além do apoio do presidente da Corte, Dias Toffoli, Raquel recebeu uma defesa enfática do vice, Luiz Fux, em audiência na quarta-feira. Fux será o próximo presidente do tribunal. Dois dias depois, Aras teve o terceiro encontro no Palácio da Alvorada com Bolsonaro.



A disputa afunila
Mas, segundo interlocutores do presidente, além de Raquel e Aras, um terceiro nome ganhou força na disputa: o do subprocurador-geral Paulo Gustavo Gonet Branco. Católico e conservador, ele é amigo do ministro Gilmar Mendes. Os dois foram sócios no Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP).

Segundo auxiliares de Bolsonaro, da lista tríplice formada em votação da categoria de procuradores, o único que ainda pode ter chances é Mario Bonsaglia - os outros nomes são Luiza Frischeisen e Blal Dalloul.




Interlocutores envolvidos nas discussões da escolha disseram, no entanto, que o presidente é "imprevisível" e já falou que pode haver surpresa.

A entrada de Fux em cena veio uma semana após Bolsonaro afirmar, em evento em Manaus (AM), que o futuro chefe da Procuradoria-Geral da República será alguém que tenha a visão diferente do que foi escrito até o ano passado. O comentário de Bolsonaro, sem prévio questionamento, foi enxergado por observadores como um sinal de que Raquel pode não ser reconduzida.

Depois do encontro com Fux, Bolsonaro disse que a conversa era uma forma de aproximação, considerando que o ministro será o próximo presidente da Corte. "É o próximo presidente do STF, tenho que começar a namorá-lo a partir de agora."




A definição do nome do próximo procurador-geral da República é considerada uma escolha-chave para o desenrolar do mandato de Bolsonaro, que vai até dezembro de 2022. Dois interlocutores do presidente enxergam essa definição como algo até mais importante que as duas vagas para o STF que Bolsonaro pode escolher, já que o procurador pode contestar ações do governo na Corte, além de apresentar denúncias contra parlamentares e outras autoridades.

Governo veta propaganda em favor do pacote anticrime de Sergio Moro

Governo veta propaganda em favor do pacote anticrime de Sergio Moro




Em O Globo, Bela Megale informa que a Secom vetou a propaganda em favor do pacote anticrime aprovada por Sergio Moro.

A justificativa de Fabio Wajngarten, que chefia a Secom, é de que a peça contraria o “bala, boi, bíblia” defendido pelo governo Bolsonaro.



Segundo a jornalista, “o argumento é que o autor do crime é um fazendeiro e a história narrada, apesar de se tratar de uma tentativa de homicídio, iria contra bandeiras defendidas pelo governo Bolsonaro como flexibilizar uso de armas no campo”.




A propaganda apresentaria a história de Dirceu Moreira Brandão Filho que, em 1991, levou dois tiros de um fazendeiro que achou que ele estaria cantando a sua mulher. O caso levou o STF a julgar pela primeira vez, em 2009, a prisão de condenados em segunda instância — um dos principais pontos do pacote de Moro.

-O governo precisa se entender! 

Moro não precisa de inimigos.
Fux quer saber porque Gilmar tem medo da lava jato, "as mensagens de Gilmar já  estão em poder de Fux"

Fux quer saber porque Gilmar tem medo da lava jato, "as mensagens de Gilmar já estão em poder de Fux"




“O combate à corrupção e ao crime organizado, que se intensificou no país com a Lava Jato, entra agora, cinco anos depois, talvez na sua mais sensível etapa”, diz Merval Pereira.



Como aconteceu na Itália das Mãos Limpas, interesses diversos se uniram para tentar colocar limites à ação dos procuradores de Curitiba. 

Uns com o intuito precípuo de não serem alcançados, ou conseguir a anulação das condenações, outros preocupados com supostas transgressões legais praticadas no que um dos seus mais contundentes adversários, o ministro do Supremo Gilmar Mendes chama de ‘o Direito de Curitiba’. Muitos, usando a segunda razão como escusa para atingir o primeiro objetivo.”


O ministro do Supremo Tribunal Federal, STF, sabe que se, a operação continuar ela vai bater na sua porta. 



Um dos motivos que nos leva a acreditar que isso aconteça em questão de meses, foi exatamente quando o ministro Fux, pediu cópias de todos as conversas roubadas dos procuradores e do ministro da Justiça Sergio Moro. -Mas, é aí onde está a carta na manga de Fux, as conversas de Gilmar Mendes também foram hackeadas pelos Hackers. 





-Ao meu entender, o ministro Fux, quer tirar a limpo as conversas dos ministros do Supremo tribunal, em especial, as conversas de Gilmar Mendes, que tem uma posição contrária a lava jato. As conversas de Moro e dos procuradores já foram divulgadas pelo site pirata The Intercept, comandado pelo militante americano Glenn verdevaldo.

-Gilmar, está em alerta total, e quer destruir a lava jato. -A sociedade tem que reagir o quanto antes. 

General Militar parte pra cima, do STF? questiona “Ditadura da Toga” de “juízes criminosos”




Uma mensagem postada nesta sexta-feira (2) pelo general da reserva e ativista político Paulo Chagas, surpreendeu as redes sociais.
Eis o conteúdo:
Em um PROCESSO JUDICIAL, juízes, promotores, advogados, criminosos e vítimas exercem, cada um, em princípio, apenas um papel.
Como se pode chamar o “PROCESSO” em que criminosos são Juízes que se fazem de vítimas, advogam em causa própria e acusam promotores?
    Isso é só uma pergunta





 Não parece haver dúvidas de que o general se refere a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).
Paulo Chagas é conhecido por suas declarações contundentes.

Ele, inclusive, no malfadado “Inquérito das Fakes”, foi vítima de um mandado de busca e apreensão determinado pelo ministro Alexandre de Moraes.


A mensagem postada demonstra que o general não se sentiu atemorizado pela ação do STF e que o país vive uma terrível turbulência jurídica.




STF, Devolva o dinheiro do povo! A sociedade quer ressarcimento aos cofres públicos, a farra das passagens

STF, Devolva o dinheiro do povo! A sociedade quer ressarcimento aos cofres públicos, a farra das passagens





O senador Alessandro Vieira (Cidadania), autor da engavetada CPI da Lava Toga, estuda medidas jurídicas — provavelmente uma representação à PGR — para cobrar o ressarcimento aos cofres públicos dos valores gastos pelo STF com a farra das passagens aéreas.

Na última quarta-feira, como temos registrado, o TCU recomendou que o Supremo acabe de vez com a emissão de bilhetes para viagens que nada têm a ver com a atividade jurídica dos ministros.



Auditores do TCU, após diligências, constataram que, somente entre 2009 e 2012, o STF gastou 630 mil reais (veja aqui) emitindo pelo menos 48 passagens aéreas internacionais, na primeira classe, em nome de mulheres de ministros.

A prática de pagar viagens para as cônjuges já não existe mais no Supremo, mas Alessandro Vieira quer que cada centavo gasto nesse sentido volte aos cofres públicos.



“Precisamos cobrar o ressarcimento de recursos para finalidades absolutamente indevidas e pedir, ainda, a responsabilização criminal de quem autorizou esses pagamentos.”

Dissemos ao parlamentar que, provavelmente, o STF insistiria na justificativa dada ao TCU no início do processo que se arrastou por quase seis anos no tribunal de contas: que, à época, normas internas do Supremo permitiam a emissão dessas passagens.


Vieira reagiu assim:

“Isso é piada. O STF, mais do que ninguém, sabe que normas internas não se sobrepõem à Constituição. Se essa farra de passagens ocorresse na Câmara de Vereadores de cidadezinhas por aí, os ministros estariam fazendo discursos empolados na televisão. Vamos em busca do ressarcimento desses valores e da responsabilização criminal dos responsáveis.”
Governador petista da Bahia enlouqueceu, acusou Bolsonaro de “dar calote”  de R$ 520 milhões

Governador petista da Bahia enlouqueceu, acusou Bolsonaro de “dar calote” de R$ 520 milhões




O governador da Bahia, o petista Rui Costa, discursou hoje no aeroporto de Vitória da Conquista, de cuja inauguração ele se recusou a participar em razão da presença de Jair Bolsonaro.


Segundo o relato do Estadão, Costa disse que Bolsonaro “não tem trabalho para apresentar” e acusou o governo federal de “dar calote” no estado em obras que estão em andamento.

O petista afirmou que o “calote” chega a R$ 520 milhões. Procurada pelo jornal paulistano, a Secretaria de Comunicação da Presidência disse que não se manifestaria sobre as declarações.